Demência

A Demência é uma síndrome que acomete os indivíduos afetados por alguma alteração no sistema nervoso central (cérebro), usualmente de natureza progressiva, na qual há uma perda ou prejuízo de inúmeras funções corticais superiores.

O que é Demência

A demência é uma síndrome que acomete os indivíduos afetados por alguma alteração no sistema nervoso central (cérebro), usualmente de natureza progressiva, na qual há uma perda ou prejuízo de inúmeras funções corticais superiores, tais como:

  • A memória;
  • O pensamento;
  • A orientação;
  • A compreensão;
  • O cálculo;
  • A capacidade de aprendizagem;
  • A linguagem;
  • O julgamento.

Essas alterações cerebrais anormais desencadeiam um declínio nas habilidades de pensamento, também conhecidas como habilidades cognitivas, suficientemente severas para prejudicar a vida diária e a função independente. Eles também afetam o comportamento, sentimentos e relacionamentos.

A doença de Alzheimer é responsável por 60 a 80% dos casos. A demência vascular, que ocorre devido ao sangramento microscópico e bloqueio dos vasos sanguíneos no cérebro, é a segunda causa mais comum de demência. Mas existem muitas outras condições que podem causar sintomas de demência, incluindo algumas que são reversíveis, como problemas de tireóide e deficiências de vitaminas.

A demência é frequentemente incorretamente referida como “senilidade” ou “demência senil”, que reflete a crença anteriormente generalizada, porém incorreta, de que um declínio mental grave é uma parte normal do envelhecimento.


Sintomas da Demência

Os sintomas de demência podem variar bastante, incluem:

  • Esquecimento que interfere nas funções diárias;
  • Dificuldade para AVDs – Atividades da Vida Diária como Autocuidado, Mobilidade, Alimentação, Higiene Pessoal, Vestir, Despir e Calçar;
  • Distúrbio de linguagem;
  • Desorientação no tempo e no espaço;
  • Comprometimento do julgamento;
  • Comprometimento do raciocínio abstrato;
  • Perda frequente de objetos;
  • Alteração do humor e do comportamento;
  • Mudança da personalidade;
  • Perda da iniciativa.

Muitas demências são progressivas, o que significa que os sintomas começam lentamente e pioram gradualmente. Se você ou alguém que você conhece estiver com dificuldades de memória ou outras mudanças nas habilidades de pensamento, não as ignore. Consulte um médico em breve para determinar a causa. A avaliação profissional pode detectar uma condição tratável. E mesmo que os sintomas sejam de demência, o diagnóstico precoce permite que uma pessoa obtenha o máximo benefício dos tratamentos disponíveis. Também fornece tempo para planejar o futuro.


Diagnóstico da Demência

Atenção: requer um diagnóstico de médico psiquiatra

Não há um teste para determinar se alguém tem demência. Os médicos diagnosticam a doença de Alzheimer e outros tipos de demência com base em um histórico médico cuidadoso, em um exame físico, em exames laboratoriais e nas mudanças características no pensamento, na função cotidiana e no comportamento associado a cada tipo. Os médicos podem determinar que uma pessoa tem demência com um alto nível de certeza. Mas é mais difícil determinar o tipo exato de demência porque os sintomas e as alterações cerebrais de diferentes demências podem se sobrepor. Em alguns casos, um médico pode diagnosticar “demência” e não especificar um tipo. Se isso ocorrer, pode ser necessário consultar um especialista, como um neurologista ou um psicólogo psicológico


Tratamento da Demência

Atenção: requer um diagnóstico de médico psiquiatra

O tratamento da demência depende da sua causa. No caso da maioria das demências progressivas, incluindo a doença de Alzheimer, não há cura nem tratamento que diminua ou interrompa sua progressão. Mas existem tratamentos medicamentosos que podem melhorar temporariamente os sintomas. Os mesmos medicamentos usados ​​para tratar a doença de Alzheimer estão entre os medicamentos prescritos às vezes para ajudar com os sintomas de outros tipos de demências. As terapias não medicamentosas também podem aliviar alguns sintomas de demência.

Medicamentos

Inibidor seletivo de receptação de serotonina (ISRS)

Alivia sintomas de depressão e ansiedade.

Antidepressivo

Previne ou alivia a depressão e regula o humor.

Medicamentos que melhoram a cognição

Melhora as funções mentais, reduz a pressão arterial e pode equilibrar o humor.

Antipsicóticos

Ajudam a controlar tremores e a evitar psicoses. Reduz ou melhora os sintomas de certos transtornos mentais.

Tratamentos

Reabilitação Neuropsicológica.

Readaptação do raciocínio para melhorar o funcionamento físico e mental depois de uma doença ou lesão como, por exemplo, depois de uma pancada na cabeça (concussão).


Internação para quem tem Demência

Situações de crise e emergência: 011 4668-7455 – opção 5

A internação para pacientes com demência é uma decisão dolorosa para a família, mas pode se tratar, em estágios mais avançados, de uma questão de vida ou morte, ou por uma descompensação de alguma outra doença associada. 

Internação voluntária – com consentimento paciente

Se o paciente está ciente de sua situação e dos problemas com os quais convive, além de sofrer pelos sintomas da depressão, capazes de impactar vida, autoestima, trabalho e, principalmente, relacionamentos, a internação voluntária a ajuda a estar em contato com uma equipe multidisciplinar apta a zelar por seu tratamento e a reabilitá-lo de modo que possa voltar a conviver bem com si mesmo e com aqueles que ama.

Internação compulsória: contra a vontade do paciente

Família, cônjuge e amigos sofrem demasiadamente quando convivem com alguém querido que tem um transtorno como a depressão, triste por natureza.

Se ele for levado a circunstâncias extremas, em que o indivíduo se coloca ou põe outras pessoas em risco, a internação compulsória é uma das melhores formas de ajudá-lo e deixá-lo sob a assistência de equipe multidisciplinar.

O Hospital Santa Mônica zela pela saúde dos pacientes. Em 2019, completou 50 anos que atua como referência de hospital psiquiátrico, auxiliando também pacientes com demência, em todos os seus estágios. Possui dúvidas sobre esse conteúdo? Para saber mais, entre em contato conosco.

Terapias e atividades que complementam o tratamento médico psiquiátrico